DECLARAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATIVO À ESCRAVIDÃO NAS MISSÕES DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE CUBA

ENFRENTAR A DESINFORMAÇÃO DESENHADA PELO REGIME CUBANO QUE AFETA O PRISONERS DEFENDERS, A OEA, O GOVERNO DO BRASIL, O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS E OS PROCESSOS JURÍDICOS EM ANDAMENTO NAS NAÇÕES UNIDAS E O TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PELA ESCRAVIDÃO EM CUBA

Leer en ESPAÑOL (PDF), read in ENGLISH (PDF), ou ler em PORTUGUÊS (PDF)

Madri, 12 de março de 2020. No 21 de novembro de 2018, 4 dos fundadores dos Prisoners Defenders, Javier Larrondo, Blas Jesús Imbroda, Adolfo Fernandez Saiz e José Daniel Ferrer (através de um vídeo), apresentaram em uma conferência de imprensa em Madri  não só ter encontrado evidências confiáveis ​​de crimes contra a humanidade como as chamadas Missões de Internacionalização de Cuba são realizadas no exterior, senaõ que anunciaram que a PD entraria com uma queixa contra o regime e seus principais líderes por esse motivo perante o Tribunal Penal Internacional e as Nações Unidas, algo sem precedentes até então. [1]

Nesta conferência de imprensa, foi explicado como “Cuba desloca massas de pessoas para trabalhar nesses países em condições que os tornam escravos.”  De acordo com o que o nosso presidente disse, “eles não deixam sair suas famílias para fora de Cuba, tiram o passaporte e título de Medicina. Eles tiram a maior parte de seus salários. Se eles deixarem a missão, não poderão voltar a Cuba em oito anos. Eles perdem sua identidade e sua família”, como coberto pelo jornal nacional espanhol La Razón, entre muitos outros meios de imprensa europeus e mundiais, como resultado da mencionada conferência de imprensa. [2]

Após uma investigação sistemática de 10 meses pelos Prisoners Defenders, foram obtidos muitos resultados:

  1. estrutura legal cubana que apoia essas “missões” (dois exemplos são o artigo 135 do Código Penal e a Resolução 168 da Lei do Ministério do Comércio Exterior )
  2. Acordos entre Cuba e os países anfitriões, detalhando a estrutura legal e contratual local para as missões (ver exemplo )
  3. Contratos originais de muitos médicos cubanos em diferentes países (ver exemplo )
  4. Um grande conjunto de sentenças finais antes de 2018 nos países de trabalho que definem o status de emprego de médicos e outros trabalhadores médicos como “escravidão”,
  5. Complementado com 110 depoimentos assinados, que ajudaram a desenvolver estatísticas sobre as violações de direitos humanos que estão em prática

Esse descubrimento e este trabalho de pesquisa tornaram indiscutíveis as reivindicações sobre esse programa, já anunciadas em novembro de 2018.

Por esse motivo, em 8 de maio de 2019, os Prisoners Defenders apresentaram uma queixa no Tribunal Penal Internacional , [3] uma reclamação que foi recebida e permanece em estudo e em andamento no referido Tribunal. [4]

Em 10 de maio de 2019, uma queixa também foi registrada nas Nações Unidas por Procedimento Especial. [5]

Ainda que Prisoners Defenders fosse realizar a Conferência de Imprensa expondo essas alegações em Madri, conversações com um ativista próximo ao PD com quem o assunto foi discutido, coincidentemente perto do Secretário-Geral da OEA, e que sugeriu informá-lo dos fatos, permitiram que nosso Presidente solicite ao Sr. Luis Almagro que apresentasse as queixas ao público nos escritórios da OEA, em vez de fazê-lo em Madri, pois o anúncio poderia alcançar maior visibilidade. Depois de encaminhar as queixas ao escritório do Secretário-Geral da OEA e de ser estudado por sua equipe, o Sr. Luis Almagro e sua equipe avaliaram sua capacidade probatória, concordaram que poderíamos usar suas instalações, e o Secretário-Geral queria apoiar essa causa em solidariedade com esse gesto, garantindo que ele estaria presente. A conferência de imprensa ocorreu em 14 de maio de 2019 e teve eco em todo o mundo por jornais como Le Monde, Le Point, ABC, EFE, Europa Press, BBC e centenas de outras meios de informação internacionais. [6]

Portanto, é claro que a OEA  não iniciou uma campanha contra as missões, senão que descobriu das mãos do Prisoners Defenders a evidência definitiva de algo que havia sido denunciado por numerosos atores na América Latina há anos e alguns médicos cubanos em particular, e fez um gesto apropriado, que corresponde a uma organização regional focada em direitos humanos, depois de analisar todos os detalhes do material de demonstração, descobrindo a barbárie que foi comprovada neles.

Desde o mesmo dia, 10 de maio de 2019, antes da Conferência de Imprensa, foi mantido contato permanente, quase diariamente, com as Nações Unidas, que realizaram intensa investigação interna no Alto Comissariado para os Direitos Humanos, por muitos meses, contatando testemunhas, analisando contratos, julgamentos e documentação e verificando todas as etapas da investigação realizada pelo Prisoners Defenders de uma maneira extremamente meticulosa, imparcial e à distância.

Como resultado, em 6 de novembro de 2019 e para a surpresa do Prisoners Defenders, como nunca soubemos as opiniões das avaliações probatórias até dois meses após essa data, conforme exigido por lei, as Nações Unidas emitiram uma forte condenação de Cuba pela escravidão, trata de pessoas e trabalho forçado nas chamadas “Missões”, nas quais  detalhou: [7]as condições de trabalho relatadas podem aumentar para o trabalho forçado , de acordo com os indicadores de trabalho forçado estabelecidos pela Organização Internacional do Trabalho. O trabalho forçado constitui uma forma contemporânea de escravidão, indicando que ”entre 2011 e 2015 os profissionais contratados no exterior teriam contribuído para Cuba uma média anual de 11 bilhões de dólares.” [8], cifra que coincide com as estatísticas da ONEI sobre Cuba e com as da Organização Mundial do Comércio, e que as Nações Unidas puderam comparar. O documento das Nações Unidas também indicava como a legislação cubana tem penas de oito anos de prisão contra os trabalhadores se eles decidirem mudar de emprego ou não voltarem a Cuba, ou como eles são impedidos de ver familia, como os contratos são retidos mais de 75% da renda é confiscada , o que “não lhes permite viver com dignidade“, como Cuba os faz trabalhar mais de “64 horas por semana” (160% do máximo autorizado pela OIT), como eles restringiram e supervisionaram liberdade de movimento e direito à privacidade ou comunicação com nacionais ou estrangeiros, ou como os profissionais relataram receber ameaças regulares de funcionários do estado cubano nos países de destino e como as médicas sofreram assédio sexual , entre muitas outras violações que as Nações Unidas emitiram como justificadas pelas informações enviadas pelo Prisoners Defenders e pelas informações “de primeira mão “.

RELATIVO AO “MERCENARISMO” DO PRISONERS DEFENDERS

Temos que ser muito francos sobre isso. A apresentação das queixas narradas foi feita pelo Prisoners Defenders com fundos pessoais do nosso Presidente, Sr. Larrondo, Prisoners Defenders nem sequer tinha uma conta corrente bancária, porque tudo foi pago pelo Sr. Larrondo a partir de sua conta bancária pessoal. Antes da Conferência de Imprensa em Washington, em 14 de maio de 2019, o passaporte de Larrondo mostrou que sua última viagem aos Estados Unidos ocorreu em 1992. Ele nunca recebeu um único centavo, euro ou ajuda de qualquer espécie para o estudo, as viagens e as reclamações que precisavam ser feitas. No caso da viagem de outros membros do Conselho a Washington, cada membro do Conselho de Administração e do Conselho Consultivo pagou suas despesas em solidariedade. Não há nada a esconder sobre isso e é amplamente verificável pelas fontes de custo.

A POSIÇÃO DO PRISONERS DEFENDERS

Prisoners Defenders têm exigido que o regime cubano derrogue as leis escravistas que dão apoio legal às missões e sanções de internacionalização após o término (como a proibição de retornar a Cuba para ver seus parentes, filhos, cônjuges ou pais durante 8 anos, o que faz com que muitos menores sejam órfãos em Cuba e casais e famílias separados por anos), uma retenção de impostos sobre os salários de acordo com o racional – e, portanto, muito menos do que o confisco de 75% a 90% que o regime cubano pratica hoje a profissionais em missão -, e a liberdade de serem acompanhados por seus parentes no exterior.

Também provamos que Cuba altera as estatísticas de saúde nos países de destino, assim como em Cuba sobre mortalidade infantil e outros indicadores de qualidade, e que os profissionais foram instados a doutrinar e influenciar os processos eleitorais dos países anfitriões.

Prisoners Defenders não advoga o fim das missões de trabalho estrangeiras como um conceito, mas pelo fato de serem realizadas como um sistema de escravidão para obter uma renda imensa onde o direito de uso é exercido sobre os profissionais, o direito ilimitado de lucro e abuso, as três condições da escravidão, violando as leis mais básicas do trabalho forçado, tráfico de seres humanos e escravidão universalmente aceitas. Também rejeitamos usá-los para alterar as estatísticas de saúde ou influenciar os processos eleitorais, mas sabemos que a eliminação da escravidão de fato eliminaria essas duas características perversas que só podem ocorrer através da situação atual de servidão radical.

Dado o dilema de permitir a escravidão ou eliminar as missões de trabalho forçado, se Cuba não concordar em reformar toda a estrutura de seus direitos, Prisoners Defenders é claramente contra essa prática de escravidão em qualquer país do mundo, e defenderemos sua reforma no sentido acima mencionado ou, se isso não for possível, sua eliminação.

Continuaremos lutando para que o Estado de Cuba , ou seja, os funcionários que não fazem parte do regime e sofrem contra vontade o mesmo jugo de opressão que o cidadão comum da ilha e os profissionais de uma missão estrangeira, se rebelem contra o regime cubano (fundamentalmente o obscuro aparelho de Segurança do Estado dirigido pessoalmente por Raúl Castro e um punhado de políticos e militares em quem ele confia) e, portanto, lutam pelos direitos que, na ilha e também nas missões de internacionalização , são violados radicalmente.

Também incentivamos e encorajamos pessoas de relevância para a mídia que são “intocáveis” para o regime, a levantar suas vozes para uma Cuba com um futuro racional e baseado em direitos, como foi o caso do cantor e compositor Silvio Rodríguez , que afirmou recentemente a respeito da prisão do artista Luis Manuel Alcántara : “Acho que o país tem problemas suficientes com seus inimigos destrutivos e também com outros internos, que não funcionam corretamente, pois a cada 5 minutos se envolve em um escândalo de liberdades. Tem que haver uma maneira mais sensata e inteligente de lidar com esses assuntos do que obviamente eles estão sendo tratados. Não há uma semana em que não haja um show desse tipo. É uma zombaria constante. E é embaraçoso. Eu colocaria aqueles que promoverem essas políticas na prisão. Eles estão desacreditando o país.

A responsabilidade histórica de cada cubano, e muito mais a do povo “intocável” pelo regime, é evidente. Eles não podem olhar para o outro lado, enquanto o regime subjuga a população e o próprio Estado, mantendo Cuba como um terreno baldio em termos de liberdades e progresso, e isentos de qualquer esperança pessoal e social, individual e coletiva. Esperamos que cada um compreenda sua força e suas possibilidades de exercer pressão pela mudança inclusiva de que Cuba precisa.

Como declaramos, Prisoners Defenders não pretende, por óbvia falta de recursos, em fazer alguém pagar dívidas passadas, senão que ações de hoje e de amanhã, tragam direitos humanos, liberdade e prosperidade. Repetimos que nosso desejo de um senso óbvio de praticidade e a ausência de outros recursos é parar a violação dos direitos humanos atuais e futuros.

BRASIL

O primeiro governo do mundo a enfrentar essa situação de escravidão em missões médicas, dentre os mais de 100 países que acolhem ou hospedam “missões”, ou obras de pessoal civil cubano em território estrangeiro através de contratos com o regime cubano ou suas empresas de diferentes especialidades (medicina, professores, técnicos, músicos, atletas, artistas, etc.), todos eles sujeitos  ao artigo 135 do Código Penal cubano ou a resolução 168 , uma lei de escravidão , do Ministério de Comércio Exterior de Cuba (MINCEX), entre os quais governos europeus como Portugal, Suíça ou Espanha, foi o governo brasileiro nas mãos de Jair Bolsonaro , que explicou que a missão médica cubana no Brasil criada por Dilma Rousseff tinha “escravizados“, palavras textuais, os médicos cubanos e que, por sua continuidade, tinha comunicado a Cuba 3 características que deviam ser cumpridas, que não foram cumpridas até então :

  1. Permitir aos médicos cubanos cobrar 100% do salário, como  os médicos de outras nacionalidades no referido programa, e não do 9% ao 24% que vinham recebendo.
  2. Permitir a seus parentes  visitá-los no Brasil com total liberdade, um fato que era proibido para eles.
  3. Legalizar graus acadêmicos, títulos que eles tinham proibido de tirar fora da ilha.

Dado esses requisitos lógicos e mínimos, frente aos crimes contra a humanidade documentados nas denúncias, Cuba decidiu unilateralmente retirar os médicos do Brasil, indicando que eram condições ” inaceitáveis “. [9]

Mais de 2.300 médicos cubanos ficaram no Brasil com a  oferta de Jair Bolsonaro  de acolhe-los, se assim o desejassem livremente.

Hoje, o governo brasileiro reparou a escravidão do referido programa em sua totalidade e ofereceu aos médicos cubanos a reintegração, dando-lhes residência e um status legal digno. Nem tudo foi feito com o imediatismo que os médicos cubanos desejaram, mas com uma vontade positiva e inegável eficácia final para a maioria desses profissionais.

Prisoners Defenders não faz declarações políticas nem apoiam nenhum governo do mundo, mas apoiam decisões específicas que, sendo corretas e de justiça universal, promovem e restauram os direitos humanos.

Da mesma forma, Prisoners Defenders não tem uma opinião política global do governo de Jair Bolsonaro, mas reconhecemos que as medidas adotadas nesse marco específico foram um passo crucial não apenas para restaurar os direitos dos médicos cubanos, mas para expor e reparar um estado de escravidão que era intolerável. Posteriormente, governos como o de El Salvador, Honduras ou Bolívia seguiram esse exemplo de denúncia e eliminação desse estado de escravidão, cada um com suas próprias soluções políticas internas e soberanas. Ainda existem mais de 65 países com missões médicas cubanas em estado de escravidão e dezenas de outras missões de outros campos profissionais (professores, técnicos, músicos, atletas ou artistas) em dezenas de países. A leitura das evidências apresentadas neste documento, bem como nas mais de 350 páginas das denúncias perante as Nações Unidas e perante o Tribunal Penal Internacional, não deve deixar espaço para que esses países continuem admitindo escravidão trabalhista em seu território sem fazer qualquer coisa ao respeito.

O PAPEL DOS EUA E A REAÇÃO DO REGIME CUBANO ÀS AÇÕES EM VIGOR POR PRISONERS DEFENDERS

O governo de Cuba repete varias vezes que foi o governo do Donald Trump que deu origem à campanha pelos direitos humanos nas missões médicas. Isso é discutido porque Cuba precisa urgentemente transformar essa situação novamente em um cenário de “inimigo estrangeiro”, a fim de buscar a solidariedade daqueles que têm uma opinião ruim, ou mesmo animosidade, para os Estados Unidos, ou mesmo para impedir conversas sobre fatos legais e probatórios e, assim, levar o assunto para a arena política, um campo que sempre pode ser manipulado infinitamente mais do que o jurídico.

Nesta linha de argumentação pelo regime cubano, a primeira ação pública que o próprio regime argumenta em seus escritos denunciando esta alegada “campanha” pelo executivo do Donald Trump está estabelecido no artigo cruzada dos EUA contra a cooperação médica internacional cubana , por escrito, que ”Em junho de [2019] , o Departamento de Estado, em seu Relatório de 2019 sobre o tráfico de pessoas, depreciou a cooperação médica internacional de Cuba e, um mês depois, impôs sanções de restrição de visto a funcionários cubanos ligados a missões médicas.” [10]

Mas este relatório data de 20 de junho de 2019, muito tempo depois que os eventos foram narrados e as queixas apresentadas sobre escravidão, trabalho forçado, tráfico de pessoas, perseguição e outros atos desumanos, tanto no Tribunal Penal Internacional como nas Nações Unidas pelo Prisoners Defenders. Também se prodiziram anos depois que numerosos grupos de deputados no Brasil denunciaram o trabalho escravo no programa “Mais Médicos” e muitos anos depois das primeiras sentenças de juízes federais no Brasil em favor dos médicos cubanos pelo ” trabalho escravo ” documentado pelo Prisoners Defenders. [11]

Mas, além disso, até o próprio presidente do Prisoners Defenders enviou ao e-mail genérico e público do Tráfico de pessoas do Departamento de Estado (tipreport@state.gov), muito antes da declaração de 20 de junho de 2019, um relatório anterior de 17 páginas nas missões de Cuba, muito menos extensas do que as denúncias feitas nas Nações Unidas e no Tribunal Penal Internacional, que tinham 350 páginas cheias de evidências, mas que delineavam a situação, sabendo que o período de aceitação havia começado no referido departamento para a sujeiçāo de informações que ajudassem a este  a deliberar sobre o relatório de 2019.

Da mesma forma, a DP enviou ao Departamento de Estado em maio de 2019, mais de um mês antes do 20 de junho de 2019, todas as reclamações e, já sim, com toda sua extensão e fruto do trabalho de investigação da DP, que foi feito no Tribunal Penal Internacional e as Nações Unidas. Em outras palavras, o Departamento de Estado dos Estados Unidos reagiu com base em reclamações e informações de várias fontes que já estavam sendo publicadas e até encaminhadas a ele, e não por iniciativa da administração política de Donald Trump. A PD também encaminhou as reclamações e informações para vários países. Para mais de 50 países, especificamente. Em muitos deles houve reações à barbárie que as missões supunham quando estavam sendo realizadas.

O Departamento de Estado reagiu aos feitos no 20 de junho de 2019. Portanto, é falso que esse assunto, como afirma o governo cubano, seja uma ação política de rivalidade dos Estados Unidos. As denúncias e ações dos Estados Unidos são o resultado de inumeráveis ações em defesa dos direitos humanos de várias ONGs, políticos de vários países e médicos cubanos que há muito denunciam a situação grave.

Além disso, as ações mais sérias sobre esse assunto são as referidas nos relatórios das Nações Unidas nas quais o governo Trump não teve participação nem interesse político, declarações de justiça que Cuba evita e atrasa em suas comunicações com os meios de informaçāo, reconhecendo que não há razão legal e moral para poder se defender deles.

ÚLTIMA AÇÃO PELO GOVERNO DE CUBA

Recentemente, o governo de Cuba quis filtrar, para tentar atacar o Prisoners Defenders e nossas relações internacionais, que nosso presidente Javier Larrondo estaria envolvido na denúncia do governo do Brasil por escravidão em missões médicas na época dos Governos de Dilma Rouseff e Michel Temer. O objetivo não é outro senão gerar confusão e tentar parar as ações do Prisoners Defenders, mesmo ao custo de espalhar afirmações sem sentido.

Negamos completa e enfaticamente essas falsidades, espalhadas com interesse pelo G2, o serviço de inteligência cubano. Totalmente contrarias as  ações do Prisoners Defenders.

Não é a primeira nem a última vez que o regime fará movimentos de desinformação quando não puderem defender uma flagrante violação dos direitos humanos na sede das Nações Unidas e em outros fóruns.

Como explicamos, e sendo o mais claro possível, acreditamos que o atual governo do Brasil agiu, nesse particular específico, com coragem em enfrentar esses problemas herdados do Partido dos Trabalhadores do Brasil (PT), recebendo médicos cubanos e agora restaurando seu direito à reintegração ao Programa Brasileiro de Médicos, uma ação apreciada pelos cubanos afetados e, portanto, pelo Prisoners Defenders. Não é do nosso interesse que o atual governo do Brasil pague um custo político por um erro que eles herdaram e que tenham resolvido com coragem, respeito e com muita generosidade, mesmo que seja possível ou recomendável realizar ações para a futura melhoria da referida emenda.

Prisoners Defenders age para alcançar a cessação das violações dos direitos humanos e não têm intenção de que as violações dos direitos humanos já cessadas e corrigidas ocupem nenhum momento da nossa agenda, focado em um imenso trabalho para acabar com violações que ainda continuam acontecendo hoje.

Advertimos que qualquer disseminação de desinformação semelhante entre organizações pode exigir ações legais em nossa defesa, bem como ações diplomáticas que, se necessário, realizaremos ambos com toda a força que merecem.

SOBRE PRISONERS DEFENDERS

Prisoners Defenders é um grupo independente de análise, estudo e ação legal, que conta com a colaboração de todos os grupos dissidentes da ilha e de familias de presos políticos para reunir informações e promover a liberdade de todos os presos políticos e direitos humanos em Cuba. Cuban Prisoners Defenders faz parte da Prisoners Defenders International Network, uma associação legalmente registrada com sede em Madri, Espanha, cujo foco de ação é a promoção e defesa dos direitos humanos e dos valores democráticos, e cujo endereço na Internet é www.prisonersdefenders.org.

Os trabalhos do Prisoners Defenders são adotados por inúmeráveis instituições e enviados, entre outros, à Organização das Nações Unidas, Organização dos Estados Americanos, Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Anistia Internacional, Human Rights Watch, Civil Rights Defenders. Freedom House, Parlamento Europeu, Congresso dos Estados Unidos e Senado, FNCA, ASIC, UNPACU, Governo da Espanha, Fundação Espanhola de Transição, Instituto Internacional de Raça, Igualdade e Direitos Humanos, FANTU, Partido pela Democracia Pedro Luis Boitel, Colégio de Pedagogos Independente de Cuba e Reflexão e Reconciliação do Movimento Cidadão, entre muitas outras instituições e organizações de igual relevância.SOLICITAÇÃO DE RELATÓRIOS : Entidades que desejam receber o trabalho de Prisoners Defenders (lista de presos políticos e de consciência, estudos jurídicos de presos políticos, estudos legais sobre Cuba, estudos sobre repressão e prisões em Cuba, etc. ), entre em contato com Prisoners Defenders em info@prisonersdefenders.org ou pelo whatsapp ou telefone: +34647564741. Desambiguação: Prisoners Defenders geram seu conteúdo e relatórios em espanhol e depois os traduz em outros idiomas com o único objetivo de facilitar a leitura, mas em caso de necessidade de nuances ou desambiguação, serão os relatórios gerados em espanhol que prevalecem e são oficiais, salvo indicação explícita em contrário. Nosso site é www.prisonersdefenders.org e nossa página no facebook é https://www.facebook.com/CubanDefenders. Nosso Twitter, além disso, é CubanDefenders.


[1] TVE Espanha: Prisoners Defenders e UNPACU denunciam o governo de Cuba ante a CPI: https://youtu.be/xGlpt9BsuYU

[2] Diario La Razón: «Sánchez avala um ditador que massacra os cubanos e persegue o franquismo, que não existe»: https://www.larazon.es/internacional/sanchez-avala-a-un-dictador-que-masacra-a-los-cubanos-y-persigue-al-franquismo-que-ya-no-existe-NG20625769/

[3] Texto íntegro da denúncia do Corte Penal Internacional: https://drive.google.com/open?id=1G_FkhzQQLlHWP0uYTe92_Dj4AgCEtnbh

[4] Relatório do estado do Corte Penal Internacional sobre a denúncia de Cuba por crimes de humanidade: https://drive.google.com/open?id=10-2VX83mtWx6yzMTgF1JkhH_fr2ikcBa

[5] “Missões de Internacionalização” de Cuba – comunicação para o início do Procedimento Oficina Especial das Nações Unidas na Academia : https://drive.google.com/open?id=1HmBKCqdeSv7gQA-i_M1YbrwJfXgU7gPs

[6] Recorte de imprensa em maio de 2019: https://drive.google.com/open?id=1RHk4CEUXpYVssXxsENfkkiy5dqlveCX9

[7] Declaração do relatório público das Nações Unidas: https://spcommreports.ohchr.org/TMResultsBase/DownLoadPublicCommunicationFile?gId=24868

[8] Simples erro de transcrição no documento espanhol das Nações Unidas.

[9] Bolsonaro : Cuba se retira do programa “Mais médicos” no Brasil devido às condições anunciadas pelo presidente eleito : https://www.bbc.com/mundo/noticias-america-latina-46213794

[10] Granma – Cruzada dos EUA contra a cooperação médica internacional cubana: http://en.granma.cu/cuba/2019-12-06/us-crusade-against-cuban-international-medical-cooperation

[11] Exemplo de uma das sentenças documentadas, entre dezenas, indicando que a situação dos médicos cubanos defendida por Cuba “equipararia a uma espécie de trabalho escravo, o que, à toda evidência, não pode ser admitido” – Sentença do Juiz Federal Marcio Luiz Coelho de Freitas: https://drive.google.com/open?id=1hfRxEEQB-_3-fRGtkuo5XjYKdM971Ww6

Share:

Author: Prisoners Defenders

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *